Arquivos do Blog

Músicas belas, corações hipócritas!

“E ele (Jesus), respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Marcos 7.6).

No texto de Marcos 7.6, constatamos que os fariseus cometiam o pecado do legalismo. Isto quer dizer que eles substituíam com palavras e práticas externas as atitudes internas requeridas por Deus oriundas do “novo nascimento”. Eles falavam palavras sábias e agiam como pessoas justas, mas sua motivação não partia do desejo sincero de obedecer e agradar a Deus. Neste episódio, os fariseus foram chamados hipócritas, isto é, atores, fingidos religiosos, dissimulados. Era assim que Jesus freqüentemente os considerava.

Ainda nos falta sensibilidade e discernimento para detectarmos o terrível erro do legalismo dentro de nossas igrejas. Se olharmos atentamente para os nossos atos de adoração, constataremos sem empecilhos a presença de exageros, mentiras, declarações inconseqüentes etc. Um bom começo é olhar as músicas que estão sendo cantadas. Já foi dito que as canções que entoamos nos cultos são por demais fantasiosas. Muitas falam de coisas que dificilmente serão postas em prática. São promessas que não serão cumpridas, declarações que não são verdadeiras, pedidos que não representam a vontade de Deus etc. Vamos citar um clássico exemplo. Responda-me com sinceridade: Você poderia viver perfeitamente o que a música abaixo o força a prometer?:

Eu nunca desanimarei, Eu nunca deixarei de confiar em Ti, Sempre estarei em oração Senhor, Minha fé nunca será abalada…

Será que quando um cristão canta esta música, ele está ciente das lutas, tribulações e dúvidas que enfrentará? Será que o cristão continuará firme em oração até o final de seus dias? Será que manterá a promessa de persistir em oração por toda a sua vida? Outro exemplo:

Vivemos em total comunhão, Aqui não existe mágoa, rancor, tristeza, Porque somos totalmente unidos, No amor de Cristo…

Será que estamos preparados para entoar canções como estas em nossas igrejas, sem que um ou outro irmão cante de forma enganosa? Será que realmente não existe mágoa ou tristeza no Corpo de Cristo? Vivemos realmente em total comunhão?

Caro leitor, vale dizer que o problema maior não é as músicas que cantamos, mas a vida que levamos. Isto porque em muitas ocasiões nossa vida não sustenta as palavras que cantamos, ou o sermão que pregamos. É aí que mora o perigo; é aí que está o real problema.

Evidentemente creio que fazemos isto não porque desejamos conscientemente enganar a Deus. Contudo, às vezes falamos a Deus aquilo que achamos que ele quer ouvir, e não o que realmente está em nosso coração. Sem dúvida alguma isso é um tipo de engano. Por isso estes questionamentos acima são extremamente sérios e devem ser tratados com atenção e reflexão. Não estou dizendo que devemos parar de cantar tais tipos de músicas, mas digo que devemos ensinar e ajudar nossos irmãos a viverem os ensinamentos cristãos que estamos cantando.

Às vezes, quando cantamos, oramos ou pregamos, estamos fazendo promessas a Deus sem perceber. Contudo, muitas dessas promessas nunca serão cumpridas. Quantas delas já foram esquecidas? Neste ponto devemos tomar cuidado! Quando lemos o livro de Deuteronômio, vemos que Deus não se agrada deste tipo de atitude:

Quando fizeres algum voto ao Senhor teu Deus, não tardarás em cumpri-lo; porque o Senhor teu Deus certamente o requererá de ti, e em ti haverá pecado. (Deuteronômio 23.21)

O capítulo 30 de Números deixa claro que Deus requeria do seu povo o cumprimento das promessas feitas a Ele. Deus fez os israelitas verem a seriedade de um voto ou promessa, e mostrou que a falsidade, a mentira e a hipocrisia não têm lugar entre o Seu povo. Que esta lição possa valer para nós atualmente!

Um abração em Cristo Jesus
Ramon Tessmann
http://www.ramontessmann.com.br
ramon@vidanovamusic.com

Anúncios

A alegria de ser coberto espiritualmente!

Por: Nilson Marcos Ribeiro
BENO_1~1
Como é bom ter o apoio e o crédito de sua liderança espiritual! Traz leveza e paz! É Deus confirmando dentro de você
que você pode prosseguir, que você pode ir mais além!.
Talvez esta seja a causa de muitos ministérios fracassarem, o fato de não terem cobertura espiritual.
Alguém com quem você preste contas, alguém que pode lhe ajudar a mostrar uma direção, uma posição, um ombro, uma mão.
Na noite de terça-feira, 21/07/09 estive reunido com um grande lider de uma renomada igreja em icoaraci, o qual além de saber sobre os trabalhos do MVT, abençôou os frutos de nossas mãos, dons, talentos que advém desta obra levítica.

O Senhor Deus tem sido bom conosco, como Ministério enviando pessoas tão maravilhosas e amáveis.
Terminar aquela conversa tão importante com a benção pastoral é tudo o que qualquer pessoa que está à frente de um trabalho assim gostaria, e eu fui contemplado, tanto na minha vida quanto na vida do Ministério.
Glória a Deus em saber que você está fazendo tudo certo, está no caminho certo e no negócio certo!
Fiquei feliz, tão feliz de ter o apoio, a benção, e ainda liberdade para mostrar nossos trabalhos na igreja e
apresentá-los.

Aleluia!!!

É tão bom sentir que Deus está no controle de Tudo! É tão bom saber que seus líderes e pastores estão ao seu lado, com você mesmo após tantas tormentas, tribulações e perseguições, mas o Senhor é comigo, é conosco! com um Grande El-Gibor. É Deus mostrando cuidado e amor por nós.
Obrigado Senhor, por todos e cada um dos benefícios que Tú tens nos dado. Te amo, Jesus ! Te amo, Jesus! Te amo, Jesus!

Você leitor, que está nos acompanhando neste post, isso tudo é para você também, que nos abençoa com(a) sua visita, que nos dá a honra de sua presença em nossos eventos, site do Voltados www.voltados.com, que nos visita no Blog: https://blogdomac.wordpress.com, ou por MSN: voltados@hotmail.com ou nilsolnmarcos@hotmail.com . Você também faz parte desta história!
prayer
Você faz parte desta Geração de Adoradores Voltados para o Senhor, Para Deus!

Agora, é bola pra frente. Temos muitas músicas para serem gravadas e re-gravadas também, além de apresentações e ministrações em vários locais.

Querido leitor(a), mais uma vez, muito obrigado por suas orações e amor para conosco. Amamos cada um de vocês.

Deus abençoe e estamos muito , mas muito, felizes e gratos pelo que o Senhor está fazendo em nossas vidas!

Deus lhe abençoe, hoje e sempre!

Amém!

Nilson Ribeiro
Ministério Voltados Para Tí

Trinta Milhões de Crentes Feridos Estão Esquecidos Nas Trincheiras – Parte 1

KamberIraqA igreja talvez seja hoje o único exército do mundo cujos soldados não voltam para buscar seus feridos no campo de batalha. Ao contrário, substitui-os rapidamente no batalhão e segue em frente, esquecendo-se que muitos soldados de valor ficaram à beira da morte pelas trincheiras.

Caso o último censo do IBGE tivesse incluído questão sobre o número de “desviados” no Brasil, o resultado seria assustador.

Calcula-se que hoje existam no País entre 30 milhões e 40 milhões de “desviados”. Por “desviados” entenda pessoas que um dia tiveram seus nomes no rol de membros de algum grupo cristão, mas que hoje estão à margem da vida da igreja.

Estas pessoas – cuja boa parte povoa hospícios e presídios ou, saco às costas, vaga errante à beira de estradas – um dia confessaram alegremente a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor e no outro se viram literalmente jogados na sarjeta espiritual.

Nesse contingente de desviados há casos para todo tipo de pessoas. Do endurecido ao desprezado, do chafurdado na lama pelo engano do pecado ao desesperado para sair dele, mas sem ninguém para estender a mão.

É desta classe de pessoas que trata esta edição. De pessoas desesperadas por uma nova chance, mas sem ter a quem recorrer porque, sabem, o único lugar onde encontrariam novamente a paz para suas almas é a igreja, mas ali, pensam, há santos demais para admitir o retorno de um filho pródigo como ele.

Afinal, com ou sem motivo, um dia foram expulsos sumariamente. Seja porque inadvertidamente cortaram os longos cabelos ou caíram em erros considerados “sem volta” por sua igreja, como o adultério. Foram disciplinados, escrachados, alijados da comunhão e, não raro, se excluíram ou foram excluídos. Como Satanás, foram expulsos do paraíso. Como Caim, receberam uma mancha na testa e foram condenados a andar errantes pelo mundo pelo resto de suas vidas miseráveis. O problema é que em seus casos específicos, não foi Deus o autor do juízo sumário.

Com tamanha carga sobre as costas, voltar é passo difícil, em algumas situações, impossível.

– A própria igreja discrimina os desviados – constata Sinfrônio Jardim Neto, líder do ministério Jesus não Desistiu de Você, de Belo Horizonte, dedicado à restauração da vida dos desviados.

– A igreja vê o desviado como se fosse Judas Iscariotes, que traiu a Deus e a igreja. E o trata como se fosse lixo que precisa ser retirado daquele ambiente.

Mal sabe que o desviado é como o ouro de Deus que se perdeu na lama podre.

Está perdido na lama, mas ainda é ouro e precisa de gente interessada, garimpeiros que estendam a mão e vasculhem até encontrá-lo”.

Uma igreja de 200 membros perde outros 400 em 10 anos

Na próxima vez em que for a um culto, pare um instante e olhe à sua direita e esquerda. Agora, saiba que daqui a dez anos é possível que a senhora, o jovem sorridente e o austero senhor que estão em cadeiras ou bancos próximos a você cantando louvores estejam completamente afastados da igreja, amargurados com Deus e entristecidos por algum motivo.

De acordo com estatística do pastor mineiro Sinfrônio Jardim Neto, uma igreja de 10 anos de funcionamento que tenha mantido média de 200 membros viu passar por seu rol ao longo dessa década o dobro desse número. Uma evasão como essa explica a conta fictícia do parágrafo anterior.

Segundo as contas que têm feito ao longo de suas inúmeras campanhas em igrejas brasileiras desde 1994, quando começou a trabalhar com desviados, 400 pessoas que passaram por uma igreja que tem média de 200 membros estão desviadas hoje.

Em português claro e chocante: a igreja permanece com sua média de 200 membros, substituindo-os naturalmente. Mas essa rotatividade originada na dificuldade de “fechar a porta dos fundos” resulta ao final de 10 anos em perda de 200% no número de pessoas.

Esses números, destaca Sinfrônio Jardim, são relativos apenas a desviados.

Aqui não estão incluídos outros itens, como mudança de membro para outra igreja.

Expulso da igreja porque não usava chapéu:

As causas para o chamado desvio de pessoas na igreja são variadas, explica Sinfrônio Jardim Neto. Desde o abandono da fé em razão da volta voluntária ao pecado até a exclusão pela liderança da igreja em decorrência de coisas pequenas mas consideradas pecado, por eles.

Em suas viagens Sinfrônio Jardim diz que encontra situações de exclusão que seriam hilárias se não fossem tão perniciosas às vidas das vítimas. Pessoas que foram excluídas por causa do legalismo exacerbado de igrejas cujos líderes zelosamente disciplinaram com exagero pequenas contravenções. Na ânsia de limpar o pecado, jogaram fora o “pecador” junto com a água suja.

– Vejo gente sofrendo, afastada da igreja por causa de coisas pequenas, como ter cortado o cabelo, ter deixado a barba e até, pasme, por ter sido visto andando de bicicleta. Uma vez, em Campos, no Rio, conheci um homem que foi expulso da igreja porque não usava chapéu, como ordenava o estatuto da igreja.

Falsas profecias levam muitos ao desvio

Outra causa para o apartheid espiritual de muitos é a decepção com lideranças. O membro procura alguém para confessar uma fraqueza ou pecado e, em vez de perdão e ajuda para vencer o mal, recebe maior condenação.

As profecias falsas são também causa importante de desvio da fé. Inúmeras pessoas naufragam depois de receber profecias falsas. A pessoa tem o filho doente, por exemplo, e recebe uma “palavra de Deus” de cura. Pouco tempo depois a criança morre. Ela fica desesperada. Ou então ouve que deve se casar com alguém porque é vontade de Deus. Obediente, casa-se e algum tempo depois percebe que a voz ouvida não era da parte de Deus. Em vez de se decepcionar com o homem, decepciona-se com Deus e sai da comunhão, explica o pastor Sinfrônio Jardim.

E há, claro, o grande número de pessoas que se aproxima de Deus seduzidas por propaganda enganosa. Chegam porque alguém lhes prometeu prosperidade aqui e agora, mas não percebem as implicações do discipulado a Cristo.

Querem as bênçãos do cristianismo, mas nada de porta estreita e caminho apertado.

Querem sair do mundo, mas levar o pecado a reboque. “Querem a salvação, mas não querem largar o pecado”, resume Sinfrônio Jardim.

Por último, a decepção contra o próprio Deus é causa de afastamento de muitos.

A pessoa é uma crente fiel e, de repente, alguém a quem ela ama morre, por exemplo. Nesse caso, se não tiver alicerces firmes em Deus, ela culpa a Deus pelo infortúnio. Age como se Deus tivesse sido ingrato com ela, sempre tão fiel e, portanto, a seus olhos, merecedora de recompensa.

Poucas visitas ao desviado resultam em maior condenação

Depois que experimentam a expulsão do paraíso, poucos conseguem encontrar lugar de arrependimento. Pior é que se forem depender de boa parte da igreja para isso, já terão na mão o passaporte para o inferno.

Na pesquisa de Sinfrônio Jardim Neto, entre 60% e 70% dos desviados não recebem qualquer visita de líderes ou membros após sair da igreja. São simplesmente descartados ou substituídos por outros membros.

O restante dos desviados (entre 40% e 30%) recebe de uma a três visitas, que se revelam infrutíferas, porque na maioria das vezes a visita é de cobrança ou condenação. Em vez de amar o pecador e odiar o pecado, os visitantes lançam ambos na cova profunda do inferno. Jogam pedra, condenam.

Decretam o inferno já para o pecador. “É como bater de vara sobre a ferida de alguém… o ferimento e a dor só vão aumentar”, compara Sinfrônio Jardim.

Hospícios e presídios estão lotados de ex-crentes

Ainda segundo a pesquisa de Sinfrônio Jardim, existem três lugares onde sempre vai se encontrar desviados: nos hospícios, nos presídios e na mendicância.

– Vá a um hospício e ali você encontrará muita gente internada que recita versos bíblicos e canta canções cristãs. Estas um dia se afastaram, caíram em pecado e os demônios tomaram conta de sua vida. Ficaram endemoninhadas.

– Depois visite um presídio e você encontrará inúmeros josués, elias e samuéis. Detentos de nomes bíblicos, que demonstram o berço cristão. Ali você começa a conversar com um deles e descobre que é filho de presbítero de igreja.

– Por último, passe próximo a rodoviárias e estações de trem ou tente conversar com um andarilho de beira de estrada. Pelo menos três entre dez destas pessoas que andam bebendo errantes, sacos de bugigangas às costas, já participaram de uma igreja cristã. Ali, não raro, você encontra homens que um dia ocuparam solenes púlpitos e pregaram o evangelho.

E por que não voltam? Sinfrônio Jardim entende que a falta de perdão a sipróprio e da própria igreja e o entendimento errado de que o que fez é imperdoável por Deus afastam-nas cada vez mais do ponto de retorno.

– Mais da metade dos que se desviaram tem problemas sérios com o ressentimento e falta de perdão. Não voltam porque não conseguem perdoar, ou não querem perdoar ou acham que não merecem perdão.

O peso que está sobre a pessoa fica insuportável às vezes, explica Sinfrônio Jardim. Há denominações, por exemplo, que pregam que quem pratica adultério jamais será perdoado. Ora, com um decreto como esse na cabeça, o pecador desiste de qualquer tentativa de reconciliação com o Deus irado que lhe foi pintado e se transforma em um monstro na terra. Passa a praticar os mais baixos pecados, porque, pensa, se já está condenado ao inferno por toda a eternidade, resta aproveitar seus dias na terra.
HomemChorando002a

Poucos saem em busca da ovelha extraviada:

Hoje a maioria das igrejas não possui qualquer trabalho específico para trazer suas ovelhas desviadas de volta ao aprisco. Ninguém pensa em deixar suas 99 ovelhas e sair atrás da centésima, extraviada.

Sinfrônio Jardim também tem explicação para esse fenômeno. Afirma que na visão expansionista de muitas igrejas hoje é pouco lucrativo deixar 99 ovelhas e sair por lugares ermos atrás de uma ovelhinha extraviada que nem sabe se está viva ou que talvez esteja tão ferida que não tenha chance de sobreviver.

– Muitos acham que não vale a pena tamanho esforço, que vão perder tempo. E, para aliviar suas consciências, usam o argumento de que a pessoa já conhece a palavra.

Outros chegam a usar versos bíblicos para justificar o esquecimento. “Saíram de nós porque não eram dos nossos…” é um dos mais recitados.

A falta de visão de restauração descrita por toda a bíblia é ignorada nesses casos. “Buscar ovelhas perdidas é visão antipática em muitas igrejas”, lembra Sinfrônio Jardim. “Isto porque quando o membro sai, geralmente sai falando mal da igreja ou do pastor. Acaba ficando mal visto dentro da própria igreja que, em vez de amá-lo e perdoá-lo, passa a tratá-lo como ovelha negra. Desta forma, quando alguém se dispõe a ir atrás dessa ovelha perdida, torna-se também impopular e corre o risco de ser também mal visto. E poucos estão dispostos a isto”.

Igreja Batista da Lagoinha foi buscar 3 mil desviados:

O retorno com sucesso dos desviados à igreja depende basicamente da atitude da igreja. “A porcentagem de desviados que retorna à igreja não passa de 10% no Brasil, mas se a igreja toma uma atitude de ir buscá-los, consegue até 80% de sucesso”, afirma o pastor Sinfrônio Jardim.

Bons exemplos não faltam: a Igreja Batista da Lagoinha, de Belo Horizonte, já reagrupou 3 mil pessoas ao seu rebanho de 30 mil pessoas em pouco mais de dois anos. Ali, o pastor César Teodoro dirige o ministério “A centésima ovelha”, junto com o líder principal da igreja, Márcio Valadão.

A igreja Assembléia de Deus em Brasília, dirigida pelo pastor Elienai Cabral, também tem obtido sucesso no resgate aos seus desviados. Outra Assembléia de Deus, dirigida por Daniel Malafaia, em Campo Grande (MS) tem obtido sucesso semelhante.

“Fomos amados. Apenas amados. E isto fez toda a diferença”

O casal Valmir Soares e Alina é exemplo perfeito de filhos pródigos restaurados. Conheceu a Deus, resolveu seguir seus próprios caminhos, reconheceu o estado em que estava, conseguiu forças para voltar, foi recebido com festa e experimentou a restauração em suas vidas, nessa ordem.

A primeira experiência de Valmir e Alina com Cristo aconteceu em 1987. Por um ano e meio eles se relacionaram com Deus e com a igreja local que freqüentavam, em Campinas, SP. “O problema é que não abri totalmente o coração naquela época. O resultado é que ao longo do tempo fui esfriando, as coisas foram ficando difíceis e eu acabei tomando duas decisões erradas que resultaram no meu afastamento da comunhão”.

– Aí não tem jeito, você entra mesmo no pecado e fica até pior. Comecei a praticar coisas horríveis e a mentir para minha esposa. Quando pensava em voltar, havia sempre a voz acusadora do diabo, dizendo que eu era indigno, que ninguém iria me receber, enfim, que não tinha mais volta. Eu me lembrava dos irmãos, da alegria e do amor que desfrutávamos, mas o pecado me impedia de voltar.

– Outra coisa que me impedia de voltar era a presunção, lembra Valmir. “Dizia para mim mesmo, tenho o Senhor na Bíblia… não preciso voltar. Eu não tinha o entendimento de que é o corpo quem nos sustenta”.

-Mas aí Deus usou a vida do próprio casal que nos falara inicialmente de Jesus, os irmãos Hélcio La Scala Teixeira e Isabel, hoje pastores em São José dos Campos, SP.

Valmir relembra: “Um dia, depois de uma conversa franca com eles e de novo convite, eu e minha esposa resolvemos visitar a igreja novamente. Enchemo-nos de coragem e fomos. Era um domingo de setembro, em 1992. Fomos recebidos literalmente como filhos pródigos. A maioria dos irmãos nos abraçou, orou conosco e, pela graça de Deus, fomos tocados novamente. Fiquei mais de uma hora chorando num canto, arrependido”.

Hoje o casal está restaurado e integrado na vida normal da igreja.

– O melhor de tudo, diz Valmir, é que em tempo algum recebemos o menor olhar de acusação dos irmãos. Nem mesmo por parte daqueles que tinham nos aconselhado anteriormente e a quem não tínhamos dado ouvidos. Ninguém disse: eu te avisei. Fomos amados. Apenas amados. E isto fez toda a diferença”.

PARTE DESSE ARTIGO CONTINUA NO ESTUDO 2

Não deixe de Ler!

MAC.

Ministério Voltados Para TÍ em Estúdio!

 

Voltados Para Tí

Voltados Para Tí

Ministério Voltados Para TÍ em Estúdio!

O Ministério de Louvor Voltados Para Tí entra em estúdios em meados de abril de 2009 já com músicas sendo tocadas em aberturas de eventos e rádio comunitárias no Distrito de Icoaraci e em Belém/PA.

Nascido de um desejo ardente de ver multidões de jovens apaixonados pelo Senhor e somar com os sonhos de Deus, formado por jovens que doaram seus corações para o Senhor e usando os dons que lhe foram emprestados para entoar canções com letras bem ao estilo da juventude mas, ungidas, esse ministério vem chamando a atenção da crítica gospel local pelas excelentes músicas e rítmos Indie, Pop gospel e badalas com jingles em inglês e português.

O Trabalho realizado pela equipe do Voltados, como é conhecido o grupo, visa gravar seus CDs e mandar fabricar seus produtos com a marca Voltados e com  a venda desses poder ajudar diretamente Missionários que estão no campo, na linha frente, às vezes sem apoio direto de sua própria igreja, chegando as vezes a passar necessidades seja moral, espiritual ou financeiros frente as diversas situações de calamidades as vezes na própria região de trabalho, visa também despertar na igreja o desejo de se orar pelos países perseguidos e principalmente os de difícil acesso à cristãos.

” Tem tempo em nossas vidas como cristãos que às vezes, entramos em nossas igrejas, adoramos, choramos, damos nossas ofertas, ceiamos, mas nos vem uma pergunta que até ignoramos na maioria das vezes: O que eu estou fazendo para marcar a minha geração? Qual a minha contribuição como Igreja, como cristão? Será que me importo mesmo com as pessoas que estão morrendo sem Jesus, sem conhecê-Lo? ou Prefiro ir pra frente do meu computador, entrar no meu orkut/myspace/twitter ou MSN e acompanhar de lá o que outros estão fazendo? Será que preciso ficar olhando pro erros do passado e ficar me lembrando deles ao ponto de ficar inerte, sem ações enquanto Deus conta comigo hoje e me faz lembrar que já apagou e pagou toda dívida que era contra mim? Ás vezes, muitas pessoas se prendem nos seus erros já perdoados por que dão ouvidos ao diabo e não progridem, não evoluem, por que o irmão está olhando, a irmã está comentando e assim por diante. Uma coisa eu sei, Deus é juiz e justo. Nada está fora de Seu controle. Tudo julgará conforme as ações dos homens então eu fico com uma palavra do Pregador que diz: “Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade; anda pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e agradam aos teus olhos; sabe, porém, que de todas estas cousas Deus te pedirá contas.
Afasta, pois, do teu coração o desgosto e remove da tua carne a dor, porque a juventude e a primavera da vida são vaidade. Lembra-te do teu criador nos dias da tua mocidade… aí oresto você sabe.” (Eclesiastes 11.9,10; 12.1. ” finaliza o vocalista do   Ministério.
O MVT entoa canções de letras que falam de um amor excessivo e apaixonante mas, também levam o ser humano a pensar em sua real situação sem Cristo, com frases fortes de expressões desafiadoras quanto a vida do Jovem Cristão dentro e fora da Igreja. ” Muitas das canções falam da liberdade que se deve ter em Cristo ao invés de prender-se em religião”, comenta um dos integrantes.

Voltados Worship MinistryO Voltados, como é conhecido é formado atualmente por 5 rapazes e 2 moças além da equipe técnica que é composta por 2 pessoas e administrativo. Temos uma página na internet www.voltados.rg3.net mas, segundo a assessoria de imprensa do Ministério, a nova página www.voltados.com que irá para a rede em Junho de 2009 virá com novidades.

Na HomePage do MVT você pode ouvir canções “demos”, algumas são ou do 1º ou 2º CD ” mas ainda não é possível fazer downloads dentre elas estão:

Livre / Pertenço à Tí / Senhor da minha vida / Até ver mais / Vivo / Espírito Santo / Teach me Your way / Viver pra Tí / Preciso voltar / So free me / Cristo em Mim / Mais alto monte / Rio de cura / Jesus vive! / Climb Your mountain / O Ar que respiro / enche-me de Tí e outras.

Fica aqui um espaço deste colunista que vos fala, vale apena conferir o trabalho dos meninos que além de trabalhar e fazer faculdade, produzem som muito bom e contagiante.

Confira os outros endereços da Banda/Ministério MVT no MySpace:

www.myspace.com/voltadosparati e www.myspace.com/ministeriovoltados

Direto da Redação.

Ministrando a Deus ou aos homens?

Mais uma palavra abençoada do meu amigo Ramon, do Ministério Adorazione.  Senti a necessidade de colocar essa palavra devido ao  momento que estamos passando hoje em dia. Puxa, conversando com o Ramon uma vez,  por fone e msn, vimos que isso é muito sério. Infelizmente, muitos em nossas igrejas sobem para tocar ou ministrar sem vontade, sem se identificar com o altar, sem ter um chamado de adorador mas, de um simples tocador apenas. Isso é triste. Escrevi isso antes aqui sobre o que estão fazendo do Altar do Senhor.

Ainda confio que Deus vai limpar o Altar, vai restaurar e fazer coisas novas ainda em nosso tempo. É incrível como existem pessoas que convivem tão bem ( ou tão mal) com a falta de perdão, falta de amor, de zelo com a palavra, vive tão bem com a religiosidade. Entra e sai da igreja sem falar com seu próximo e ainda tem a cara deslavada de subir para ” ministrar ao Senhor”  É o fim do mundo! Fl-4:7 – … E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

MAC – Nilson Marcos

Ministrando a Deus ou aos homens?
Por Ramon Tessmann

“…servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens…” (Efésios 6:7).

As dificuldades que um dirigente de louvor confronta enquanto está conduzindo o povo na adoração congregacional são inúmeras. Dentre as mais corriqueiras e mais discutidas entre os líderes e dirigentes está a excessiva preocupação com a aprovação e agrado dos homens no que diz respeito a sua performance. Na verdade, alguns expõem que a dificuldade está no fato de que nos prendemos demais naquilo que nossos olhos enxergam (o povo, o homem) e esquecemos de adorar “em espírito e em verdade” (ou seja, não dirigimos o louvor a Deus, mas ao povo).

Percebo que muitos dirigentes estão com o coração aflito por causa deste problema. Eles estão com a consciência pesada pois sabem que durante o culto se esquecem (involuntariamente) dAquele que deveria ser o centro de todas as atenções. Alguns já me confessaram totalmente contristados: “Irmão, me ajuda porque eu não consigo me concentrar em Deus, estou muito preocupado com as pessoas!”.

Há algum tempo atrás enfrentei este problema. Sentia-me culpado porque media o sucesso da minha direção na resposta, no “feedback” da igreja. Se eu percebia que o louvor estava fluindo e os irmãos estavam cantando conosco com toda a avidez então concluía que Deus estava “aceitando” a adoração. Se nalgum dia a igreja não estivesse disposta a cantar, então era porque Deus não queria ser louvado, não era dia de louvor, ou seja, os ares espirituais estavam muito tenebrosos (que triste conclusão!).

É um erro pensar que as músicas que agradam as pessoas, são as mesmas músicas que agradam a Deus e são as mesmas que Ele quer ouvir no mesmo momento em que as pessoas querem ouvir. Às vezes, pecamos ao pensar que Deus é apenas mais um na platéia, que a opinião de Deus tem o mesmo peso que a opinião do irmão José. A voz do povo não é a voz de Deus! O povo é o povo e Deus é Deus!

Muitas vezes já falei coisas durante o culto que desagradaram a homens, mas agradaram a Deus. Por outro lado, já falei palavras e cantei músicas para agradar a homens e acabei desagradando a Deus (e por isso me arrependo profundamente). Alguém poderia perguntar: “Então quer dizer que só tenho que cantar e ministrar palavras que desagradam os homens, para agradar a Deus?”. Naturalmente, não. Haverá momentos que o que Deus quer falar vai agradar os homens, vai levar o povo à presença dEle. E aí haverá a tão desejada fluência no louvor, porque a vontade de Deus vai ser valorizada, vai ter peso. Já foi dito: “Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10).

O que quero trazer à luz neste artigo é que os dirigentes de louvor devem estar mais preocupados com Deus e sua vontade do que com o que o povo vai pensar ou falar de sua performance. Assim os dirigentes podem ficar mais descansados e em paz, pois fazer a vontade de Deus é infinitamente melhor do que fazer a vontade dos homens. Prefiro ser avaliado e julgado por Deus do que pelos homens. Então, meu irmão, descanse em Deus e se preocupe em ministrar a Ele. Deus é misericordioso, já o povo não tem piedade (Marcos 15:14). Procure agradar a Deus. Quanto aos homens… bem, prepare-se… algumas vezes haverá críticas, insatisfação, desagrados, julgamentos e condenações. Quanto a Deus… Ele estará sorrindo para você!

Um abração em Cristo Jesus
Ramon Tessmann

Nilson Marcos é membro da Primeira Igreja Batista em Icoaraci – Belém/PA
Músico, Compositor, Designer,WebMaster e Aluno de Sistemas de Informações
msn: nilsolnmarcos@hotmail.com
website: nilsonmarcos.rg3.net

MAC no Fórum Social Mundial – MAC at the World Social Forum

MAC NO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2009 EM BELÉM/PA

MAC at the World Social Forum in English

06-01-09_0754Olá pessoal! Tudo bom?!!!

A semana já começa quente em Belém, abertura do WSF ou Forum Social Mundial que vai ocorrer entre os dias 27/01 a 01 de Fev, no Campus da UFRA e UFPA.

Já podemos ver a cidade de Belém repleta de gringos e convidados ilustres.

Passando anteontem pela Almirante Barroso, não pude deixar de notar a caravana que chamava naõ só minha atenção mas, a de todos os que estavam alí, naquela tarde. Era a Força Nacional com luxuosos carros desfilando pela avenida, com motores turbinados e uma boa dose de sirene para os tímpanos, pra não deixar o costume. Brasileiro adora aparecer e ainda mais num  Fórum Mundial!

O FSM é um espaço de debate democrático de idéias, aprofundamento da reflexão, formulação de propostas, troca de experiências e articulação de movimentos sociais, redes, ONGs e outras organizações da sociedade civil que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do mundo pelo capital e por qualquer forma de imperialismo. Após o primeiro encontro mundial, realizado em 2001, se configurou como um processo mundial permanente de busca e construção de alternativas às políticas neoliberais. Esta definição está na Carta de Princípios, principal documento do FSM.
Como trabalho também na área de tradutor e intérprete da Língua inglesa formal e informal, não poderia deixar de participar.
fsmO Fórum Social Mundial se caracteriza também pela pluralidade e pela diversidade, tendo um caráter não confessional, não governamental e não partidário. Ele se propõe a facilitar a articulação, de forma descentralizada e em rede, de entidades e movimentos engajados em ações concretas, do nível local ao internacional, pela construção de um outro mundo, mas não pretende ser uma instância representativa da sociedade civil mundial. O Fórum Social Mundial não é uma entidade nem uma organização. cartazfsm

Bom, galera, vou trabalhar sim como tradutor/intérprete free-lancer contratado também, mas não vou poder ficar todos os dias, minhas horas serão flexíveis por causa do trabalho na LCV. De antemão, isso é tudo por hoje.

Fiquem com Deus e me assitam na TV rsrsrsrsrs…

If you’re in need of a translator for the World Social Forum, searching for someone to translate alive all the Conversations, Debates, Programs, Meetings and even in your Hotel, please contact me through my email below, and I’ll be gladly thankful for your touch. Welcome to Belém/PA – Brazil.”  

 

WSF – We can build a better world!

Qualquer dúvida entre em contato no MSN tmb/ My contact email:

PC: nilsolnmarcos@hotmail.com

Celular: mac_semface@hotmail.com

Acesse: www.tradutor.rg3.net

Nilson Marcos é membro da Primeira Igreja Batista em Icoaraci – Belém/PA
Músico, Compositor, Designer,WebMaster e Aluno de Sistemas de Informações
msn: nilsolnmarcos@hotmail.com
website: nilsonmarcos.rg3.net

Caim e a história de nossa marca!

Caim e a história de nossa marca! (Gênesis 4:1-16)

1. Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então, disse: Adquiri um varão com o auxílio do SENHOR. 2. Depois, deu à luz a Abel, seu irmão. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim, lavrador. 3. Aconteceu que no fim de uns tempos trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao SENHOR. 4. Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta; 5. ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante. 6. Então, lhe disse o SENHOR: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? 7. Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo. 8. Disse Caim a Abel, seu irmão: Vamos ao campo. Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou. 9. Disse o SENHOR a Caim: Onde está Abel, teu irmão? Ele respondeu: Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão? 10. E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue de teu irmão clama da terra a mim. 11. És agora, pois, maldito por sobre a terra, cuja boca se abriu para receber de tuas mãos o sangue de teu irmão. 12. Quando lavrares o solo, não te dará ele a sua força; serás fugitivo e errante pela terra. 13. Então, disse Caim ao SENHOR: É tamanho o meu castigo, que já não posso suportá-lo. 14. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua presença hei de esconder-me; serei fugitivo e errante pela terra; quem comigo se encontrar me matará. 15. O SENHOR, porém, lhe disse: Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs o SENHOR um sinal em Caim para que o não ferisse de morte quem quer que o encontrasse. 16. Retirou-se Caim da presença do SENHOR e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden.

Muito prazer: Meu nome é CAIM!

Peço licença para contar minha história. Na verdade a história desta marca que trago em meu corpo. Peço alguns minutos da sua amável atenção.

Meu nome é Caim mesmo. Sou filho de Adão e Eva e tinha um irmão de nome Abel. Mas uma desgraça se abateu sobre nossa família.

Hoje, debaixo desta árvore, protegido pelo céu, contemplando o rebanho que pasta tranqüilamente nesta campina, ainda continuo meditando nas lembranças que esta marca em minha mão, feito tatuagem, evoca, lembranças da tragédia que mudou completamente nossas vidas.2508204471_0ee3a28bd1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Papai já havia saído do Éden e, junto com mamãe, se estabeleceram numa região na qual podia, não apenas criar seu rebanho, mas também cultivar seu pomar.

Mamãe contava, para mim e meu irmão, como nós nascemos. Você sabe essas histórias de cegonha para crianças. Mamãe disse que durante minha gravidez recebeu auxílio de Jeová. E eu nasci saudável. Jeová, se você não sabe, é o nome do nosso Deus, meu e de minha família.

Éramos uma família feliz. Felicidade que aumentou ainda mais quando Abel, meu irmão, nasceu.

Lembro bem que papai e mamãe passavam os dias cuidando de tudo. Papai cuidava do pomar e do rebanho. Mamãe, da casa e dos animais domésticos que tínhamos.

Quando meu irmão e eu ficamos maiorzinhos também ajudávamos nos afazeres do lar. Papai me ensinava a cuidar das frutas e orientava meu irmão a cuidar dos carneirinhos. No final do dia mamãe nos esperava na varanda com um suco de frutas e um bolo de fubá e ali ficávamos ouvindo, de papai, as histórias sobre a criação e aquelas histórias que nos ligam uns aos outros.

Aprendemos muitas coisas de papai e mamãe. Eu e Abel, meu irmão, tivemos uma infância feliz. Corríamos atrás das ovelhas, subíamos em árvores, tomávamos banho num riacho próximo de casa, brincávamos com nossos gatos e com os brinquedos que papai fazia.

Lembro bem, como se fosse hoje, que meu irmão e eu estávamos catando abacate, quando Abel, que estava em cima da árvore, soltou uma fruta e ela caiu nas minhas costas, pois eu estava abaixado arrumando as que nós já tínhamos apanhado. Lembro que gritei com meu irmão e o xinguei. Mas você sabe, irmão é irmão, e saímos dali dando boas risadas do que tinha acontecido.

Passaram-se os anos, Abel e eu crescemos. Eu cuidava do pomar, meu irmão do rebanho.

2508203693_03ec582394

Certo dia trouxemos, para o culto, uma oferta cada um. Abel trouxe algo do rebanho. Eu trouxe algo do campo. Não sei qual o motivo a oferta do meu irmão foi aceita e a minha não. Naquele dia aconteceu algo muito triste. Sem ter controle das minhas emoções, fiquei sobremodo irado com o acontecimento, a tal ponto foi minha ira que meu semblante se desfigurou. Eu podia sentir aquela chama, aquele fogo embraseando meu rosto. Saí daquele lugar arrasado. Mas antes que saísse ouvi uma voz no profundo do meu ser. Sabia que era o Senhor que estava dizendo:

—– Caim meu filho; por que estás tão irado? Por que teu rosto está tão desfigurado? Por que tanta amargura no coração? Não há motivo para tu estares assim Caim.

E continuou:

—– Olha Caim, há dentro de ti duas forças, como se fossem dois cães: aquele que tu alimentares vai prevalecer. São duas opções: aquela que escolheres é a que determinará tua aceitação ou não, perante mim. Por isso reflitas nisto: Se procederes pelo bem, tu serás aceito, todavia se procederes pelo mal eis o pecado à porta do coração: Portanto, cabe a ti dominar os desejos que estão contra ti. E lembra-te sempre Caim: não é a religiosidade das ofertas que me agradam, mas, sim, um coração sincero, um desejo puro.

Aquelas palavras ainda ressoam forte dentro de mim. É como se o Senhor as estivesse falando hoje.

Descobri estarrecido, naquele dia, que há algo de monstruoso dentro do ser humano, algo de demência que assombra todos nós. Você não se sente assim de vez em quando? Você às vezes não fica irado, nervoso … querendo matar meia dúzia de políticos?

É … isso é uma tragédia por si só!

Mas minha história não pára por aí. Ela se agravou até a desgraça completa.

Deixa-me contar a parte mais triste.

Certa ocasião chamei meu irmão para irmos ao campo, e num ato de pura violência e loucura, deixei-me dominar pelo meu lado obscuro, pelo meu desejo do mal, e feri meu irmão de morte. Por um instante fiquei ali, inerte, paralisado, olhando o corpo do meu irmão estendido ali no chão, o sangue escorrendo pela terra …

Fugi, apavorado. No caminho, outro encontro com o Senhor, que me perguntou:

—– Caim, onde está teu irmão?

Sabia que nada podia esconder de Javé, sabia que o Senhor nos acompanha aonde quer que nós vamos. Porém, no auge do meu desespero tentei um último ardil dizendo:

—– Não sei onde está meu irmão. Acaso sou cuidador do meu irmão?

Em vão minhas palavras. A quem estava eu querendo enganar, senão a mim mesmo?

Conturbado e a sós com Deus ouvi-o dizer em tom de lamento:

—– Que fizeste Caim?! O sangue do teu irmão clama da terra para mim. A voz do teu irmão grita da terra regada com o sangue dele. A terra abriu a boca para receber a vida do teu irmão. Agora és maldito sobre essa terra que não mais dará o sustendo quando a lavrares.

E Deus continuou dizendo ao meu coração:

—– Serás andarilho sem rumo pela terra.

Mesmo que eu tivesse tapado os ouvidos naquele momento, teria ouvido essas duras e assustadoras palavras, pois elas iam direto ao coração e, como cravos na madeira, penetravam meu ser e ficaram fixadas para sempre.

Vivi um verdadeiro inferno existencial, um sofrimento tão intenso que não podia suportar … então clamei ao Senhor:

—– Senhor meu castigo é tão grande que não posso suportá-lo, pois me lanças da tua face e tenho que me esconder da tua presença e ando fugitivo e errante…

E completei a frase chorando amargurado:

—– … E quem me encontrar, certamente me matará.

Disse isso, pois temia receber na mesma moeda o castigo pelo meu pecado, por ter tirado a vida do meu irmão.

Foram dias de profundo sofrimento. O fato de ter tirado a vida do meu irmão tirava meu sono. Não conseguia dormir pensando no que fizera, pensando na dor de mamãe, pensando na tristeza de papai, pensando na destruição que causei na minha família.

Sim. Você não pode imaginar a dor, a tristeza, a angústia, o desespero, a solidão que enchiam meus dias.

Ainda sob o domínio do medo e do pânico ouvi o que o Senhor Javé falou:

—– Caim: qualquer pessoa que tirar a tua vida será vingado sete vezes. Mas eu o Senhor Deus coloco em ti um sinal, uma marca bem visível para que qualquer pessoa que te encontrar não te fira de morte. Esta marca te protegerá pelo resto de tua vida e será uma lembrança de que sempre estarei ao teu lado para te proteger.

Deus falou, e assim se fez. No dorso da minha mão direita surgiu esta marca, parecida com uma tatuagem, que me identifica como um protegido de Javé. Essa marca que você vê em minha mão é a lembrança de uma tragédia familiar, mas é, ao mesmo tempo, um sinal de proteção.

Eu sei que parece estranho eu dizer isso, pois você deve ter ouvido outra versão da minha história. Entretanto, você pode consultar o livro Sagrado e comprovar o que estou dizendo.

Assim, quando você olhar para esta marca em minha mão, saiba que é um sinal com dois significados: um externo e outro interno. Um invisível e outro visível. A marca invisível é a lembrança do meu pecado. A marca visível é a lembrança da proteção que recebi do Senhor.

Pense nisso: Se você não soubesse da história do meu pecado só veria a marca visível e saberia que Javé me protege, e não saberia o que fiz.

Portanto, você que ouve a minha história tenha sempre na mente e no coração a certeza de que, apesar do nosso pecado, seja ele qual for nunca será tão grande que o Senhor não possa perdoá-lo e isso por um motivo bastante simples: Jesus, o filho de Deus, nosso irmão mais velho, derramou seu sangue para nossa remissão, para nossa proteção.

Assim, você também carrega uma marca que lembra o seu pecado, mas que também lembra o perdão de Javé.

Essa é a história da nossa marca!

Enviado pelo amigo Rev. Dr. José Roberto Cristofani

O Orkut e a Oi. Aonde vai dar isso agora?

macorkut1 Algumas pessoas me questionam a respeito do Orkut e Outras opinam sobre o que nem conseguem explicar, mas acho isso tudo engraçado, até certo ponto.
Bom, realmente, há uns bons anos atrás tinha bloqueado em definitivo minha conta do Orkut e para provar que mesmo fechando a conta, ela permanece ativa no banco de dados deles, aqui estou eu. Não de volta ao Orkut, até por que uso e gosto muito do Myspace e do sônico que não irei trocar, por longos e longos anos.
Não tenho pretensão de permanecer no Orkut, pelo contrário, faz parte até de umas pesquisas de Internet que faço, já há anos e este continua a mesma coisa. Não evolui.
Agora, com um suposto acordo feito com a Oi parece que até a política de segurança mudou, ficou melhor, positivamente falando mas, pior, já que nossos dados ainda ficam de posse desta empresa, o Orkut.

orkut-themes

A Oi, cuja estréia no mercado paulista foi anunciada para outubro, e que foi a primeira a decidir pelo desbloqueio gratuito de celulares e pela venda de modelos sem bloqueio, em 2007, para que o cliente possa comprar o chip e utilizá-lo em qualquer telefone móvel GSM agora se vê de entrelaces com o tão criticado Site de Relacionamento.
Essa fusão de negócios talvez minimize a imagem negativa que o Orkut tem devido a muitas paginas de pornografia ( referindo-me também a perfis que incitam a este tema), entre tantos outros que fazem da página número de relacionamentos do Brasil perder a cada dia seus adeptos para http://www.myspace.com , http://www.hi5.com, http://www.sonico.com e http://www.facebook.com, estes líderes em segurança para o usuário, plataformas amigáveis, fáceis de usar e bem dinâmicos até.

orkut-oi
Os orkuteiros devem ter notado a aparição de um tema de Natal, com publicidade da Oi, nos perfis de alguns usuários. Esta aparição abre espaço para, finalmente, a implementação oficial dos temas na rede de relacionamentos.
Uma nova aba chamada Temas, em Editar Perfil, agora está disponível exibindo três temas: o “Azul orkut” (tema clássico), “Feliz Natal!” (tema natalino da Oi) e o “Feliz Ano Novo!” (em breve). É possível ainda desativar o suporte ao recurso, visualizando o tema clássico do orkut em qualquer perfil do site, eliminando assim a chance das páginas virarem verdadeiros “Carnavais” – um dos medos de uma grande parte dos usuários.
E tem até serviços com ela:

Agora você pode enviar scraps do seu celular Oi, receber informações sobre perfis dos seus amigos e alertas toda vez que enviarem um scrap pra você. E o melhor: tudo é feito por SMS. Ou seja, não há restrições sobre o modelo de aparelhos!

Pra ativar o serviço, basta clicar aqui, entrar na página do Orkut, cadastrar seu celular Oi e atrelá-lo a operadora Oi. Neste momento, ainda no site do Orkut, será gerado um código de ativação que deverá ser enviado pro número 67588. Em seguida você receberá uma mensagem confirmando a ativação do serviço.

Você ainda pode limitar a quantidade de alertas de scraps a serem recebidos e escolher o horário pra receber as suas mensagens. Exemplo: entre 9hs e 18hs.

Quanto custa:

Envio de scraps e solicitações de informações – R$ 0,31 + impostos
Alerta de scraps – R$0,10″

Pra utilizar este e muitos outros serviços, seu aparelho precisa estar configurado corretamente. Há duas maneiras de configurá-lo:

1. Envie, gratuitamente, um SMS com a palavra Oi pro número 4421 e salve os dados recebidos.

2. Pegue seu Oi e acesse o menu de serviços do seu Oi chip. Selecione a opção “Mais” e escolha “Configurações Oi”;

Eu, Nilson Marcos estou por aqui (no Orkut) mas, como não estando. Por que, como havia dito, que não iria entrar mais até que mudassem a política de relacionamentos com o Cliente que era fechado e irrestrito, tanto que chegou a ser chamado por muitos de a 2ª casa dos Hackers.
Não troco o MySpace e nem o Sonico pelo Orkut que já usava desde 2003 e de lá pra cá, não muita coisa mudou, mas apenas essa nova aliança com a OI.
Posso sair, pois, nenhuma página de relacionamentos, quando não tem segurança o suficiente com seus dados, que são os do usuário me fazem permanecer nela e ainda assim refiro-me tudo isso ao que foi encontrado no site: http://ahoradaverdade.wordpress.com onde o autor explana a respeito de acordos feito externamente com outras entidades o qual envolvia milhões de dólares americanos!

Aí eu pergunto:

ONDE VAI DAR ISSO AGORA?

Pra quem pretende me adicionar “ADD” aí vai meu link no Orkut:

http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=16801518819627876419

Para você visualisar a Política de Privacidade do Orkut e entender mais do que estou falando, clique aqui

Nilson Marcos é membro da Primeira Igreja Batista em Icoaraci – Belém/PA
Músico, Compositor, Designer,WebMaster e Aluno de Sistemas de Informações
msn: nilsolnmarcos@hotmail.com
website: nilsonmarcos.rg3.net

AS CINCO MANEIRAS DE AFASTAR O SEU FILHO DA IGREJA

 

AS CINCO MANEIRAS DE AFASTAR O SEU FILHO DA IGREJA

1º – Diante das menores dificuldades, tais como, indisposição, chuva, frio, cansaço, não vá aos cultos. Com isso seu filho vai crescer com a idéia de que freqüentar as reuniões não é assim tão necessário.
Fonte: Luciana ( Igreja Evang. Pentecostal Formosa)

“… e considerem-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.

( Hebreus 10:24,25 )

2º – Quando estiver à mesa ou reuniões da família, faça comentários ou críticas ao ensino do pastor ou líderes. Com isso seu filho crescerá não tendo respeito por eles, nem dando créditos aos seus ensinos.

“Ora, rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós, presidem sobre vós no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obras. Tende paz entre vós”.

( I Tessalonicenses 5:12,13 )

3º – Cuide para que seu filho cresça num lar que não seja diferente de qualquer outro. Afinal que valor há em aplicar princípios da palavra de Deus a todos os aspectos da vida familiar.

“E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te.

( Deuteronômino 6:6,7 )

4º – Gaste diante da TV todo seu tempo que passa em casa, ao invés de separar parte dele para a leitura da Bíblia e oração. Basta apenas orar na hora das refeições. Com certeza seu filho aprenderá que, orar e estudar a palavra de Deus não tem nenhum valor pra você.

“E o terá consigo, e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer ao Senhor seu Deus, e a guardar todas as palavras desta lei, e estes estatutos, a fim de os cumprir..”

( Deuteronômino 17:19 )

5º – Comente à vontade a vida dos outros membros da igreja, depois ao encontrá-los na igreja, apresse-se a cumprimentá-los com um largo sorriso. Com isso seu filho terá a impressão de que a vida cristã é pura hipocrisia e não deseja seguir o mesmo caminho.

“…que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando
toda a mansidão para com todos os homens”.

( Tito 3:2 )

Incentive seu filho a estar sempre participando das nossas reuniões para com isso vir a receber a palavra de Deus.

” Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele”. ( Provérbios 22:6 )

O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

 

O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

A experiência do batismo com o Espírito Santo tem-se feito numa das pedras basilares da doutrina pentecostal, como uma doutrina tanto bibliocêntrica quanto prática e experimental.

1.      A PROMESSA DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Um dos sinais prenunciados pelos profetas do Antigo Testamento, alusivo ao fim dos tempos para judeus e gentios, trata do derramamento do Espírito Santo em grande profusão sobre a terra.

  1. Nas palavras do profeta Joel

No livro do profeta Joel, capítulo 2, versículos 28 e 29, lemos uma das primeiras promessas referentes ao derramamento do Espírito Santo: “E há de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas daqueles dias derramarei o meu Espírito”.

  1. Nas palavras de João Batista

Mais de quinhentos anos haviam-se passado desde que esta promessa do Senhor fora dada através de Joel, quando pelas campinas verdejantes da Judéia, e pelas margens úmidas do Jordão, apareceu João Batista, o precursor do Salvador, anunciando: “E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento: mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo” (Mt 3.11).

  1. Nas palavras de Jesus Cristo

Não tardou até que Cristo, na força do Espírito, começasse o seu ministério, no desenvolver do qual, também falou sobre a obra do Espírito Santo, começando com o novo nascimento, seguindo-se o batismo com o mesmo Espírito. Ele próprio disse, quando de sua estada numa festa dos judeus em Jerusalém: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios d’água viva correrão do seu ventre”. E acrescenta o apóstolo João que “isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado” (Jo 7.38,39).

Após ressuscitar dos mortos, noutro lugar, antes de subir para o Pai, diante dos seus discípulos, outra vez disse Jesus: “Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At 1.5).

  1. Cumprimento da promessa

Após ter dito isto, foi Jesus elevado ao Céu, e, já à mão direita do Pai, cumpre o que prometeu, conforme registra Atos 2.1-13.

Os anos e os séculos vão se escoando e o momento do arrebatamento da Igreja se aproximando, enquanto milhões de pessoas, espalhadas por todos os continentes, têm experimentado a realidade do cumprimento da promessa do batismo com o Espírito Santo.

A experiência do batismo com o Espírito Santo já não é uma exclusividade dos membros das igrejas pentecostais. No decorrer dos anos, é cada vez maior o número de membros de igrejas até então fechadas para esta experiência, que estão recebendo o batismo com o Espírito Santo, acompanhado da experiência de falar em línguas.

Cumpre-se, com certeza, a afirmação de Jesus, segundo a qual “o vento [o Espírito Santo] sopra onde quer…” (Jo 3.8).

  1. A REALIDADE DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

O batismo com o Espírito Santo, como promessa, é algo não apenas para ser desejado e buscado pelo crente. É mais do que isto. Como doutrina bíblica deverá ser corretamente compreendida.

  1. Falsos conceitos sobre o batismo com o Espírito Santo

No decorrer dos anos, muitos conceitos errôneos têm surgido a respeito do batismo com o Espírito Santo. Muitas “boas intenções” têm contribuído para se generalizarem tais conceitos. De um lado estão os antipentecostais a confundirem o batismo com o Espírito Santo com a experiência da conversão, com o novo nascimento. Do outro lado estão algumas correntes renovacionistas e carismáticas falando dum batismo com o Espírito Santo como uma experiência completamente alheia às Escrituras. Enquanto isto, no centro, estão não poucos pentecostais nominais, que já não nutrem nenhum interesse por contribuir no sentido de que outros membros de suas congregações, principalmente os crentes mais novos, tenham a gloriosa experiência do batismo com o Espírito Santo.

  1. O que não é o batismo com o Espírito Santo

O batismo com o Espírito Santo não é a mesma coisa que o novo nascimento. Ambas são experiências de grande importância, mas distintas. Ambas são experiências de grande importância, mas distintas. Jesus primeiramente disse aos seus discípulos: “Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado” (Jo 15. 3). Só depois é que eles tiveram a experiência do batismo com o Espírito Santo.

Os crentes samaritanos (At 8.14-17), bem como os doze discípulos de Éfeso (At 19.6), por certo já possuíam os seus nomes escritos no Livro da Vida, quando receberam o dom do Espírito Santo. O próprio Jesus, não obstante ter sido gerado por obra e graça do Espírito, só aos trinta anos de idade é que foi ungido pelo Espírito Santo e capacitado para o pleno cumprimento da sua missão (Lc 4.17-20).

2.3. O que é o batismo com o Espírito Santo

O batismo com o Espírito Santo é o âmago da experiência de Pentecoste. Desse modo, um verdadeiro pentecostal não é alguém que simplesmente pertence a uma denominação evangélica com esse nome, mas é alguém que foi batizado com o Espírito Santo e continua a transbordar da plenitude de Deus.

O batismo com o Espírito Santo é, dentre outras coisas:

  1. o cumprimento integral e total da promessa do Pai, sobre a qual falou Jesus Cristo em Atos 1.4: “E, certa ocasião, estando comendo com eles, ordenou-lhes: Não vos ausenteis de Jerusalém, mas esperai a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes”;
  1. a unção indispensável a todo crente, que, possuidor da natureza divina, tem o dever de testemunhar de Cristo e do seu Evangelho por todos os lugares, até os confins da terra. Assim diz Atos 1.8: “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”;
  1. o fluir das fontes cristalinas da salvação, que emanam da alma do pecador perdoado pela bondade do Senhor. Diz João 7.38,39: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Isto ele dizia do Espírito que haviam de receber os que nele cressem. O Espírito Santo ainda não fora dado, porque Jesus ainda não havia sido glorificado”.

2.4. Todo crente deve buscar o batismo com o Espírito Santo

Um dos ensinos preferidos pelos antipentecostais é que o crente não deve buscar o batismo com o Espírito Santo, pois, segundo eles, o crente que assim age, está sujeito a receber um espírito demoníaco em lugar do próprio Espírito Santo. Este ensino é não só absurdo como também uma blasfêmia inominável, contra a qual se ergue o próprio Senhor Jesus Cristo, em Lucas 11.11-13: “Qual o pai dentre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos fossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que pedirem?

O crente não batizado com o Espírito Santo, deve pedir a Jesus, o doador do Espírito Santo, que o batize. Também é bíblico que os crentes já batizados com o Espírito Santo, orarem em favor daqueles que ainda não receberam este batismo, a fim de que eles sejam cheios do Espírito santo. Os apóstolos Pedro e João oraram no sentido de que os crentes samaritanos recebessem o Espírito Santo (At 8.17). O mesmo fez Ananias com Saulo em Damasco (At 9.17). De igual modo, Paulo impôs as mãos sobre os doze discípulos de João que moravam em Éfeso, e, enquanto orava, o Espírito Santo veio sobre eles, de sorte que também falavam e línguas como profetizavam (At 19.6).

Uma vez que o batismo com o Espírito Santo é uma bênção destinada a todos os crentes, todos os crentes devem desejá-la e buscá-la diligentemente.

  1. EVIDÊNCIA FÍSICA DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Até há alguns anos, era impossível encontrar se quer um pregador pentecostal que contestasse o falar em línguas como evidência física inicial do batismo com o Espírito Santo. Hoje, no entanto, aqui, ali e acolá, de momento, em conversações entre pastores pentecostais, vez por outra é possível a gente encontrar aqueles que tentam explicar a existência doutras evidências do batismo com o Espírito Santo que não o falar em novas línguas.

O Novo Testamento, bem como a História da Igreja, designam o falar em novas línguas como a evidência física inicial do batismo com o Espírito Santo. Como este ensino corroboram vários textos do livro de Atos dos Apóstolos. Veja, pois, nas seguintes condições:

  1. No dia de Pentecoste

Atos 2.4: “Todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”.

A demonstração comum ou a evidência física inicial de que os quase cento e vinte discípulos de Jerusalém, foram cheios do Espírito Santo no dia de Pentecoste, foi que todos eles falaram em outras línguas. Foram línguas que eles não haviam aprendido, faladas, portanto, pela operação sobrenatural do Espírito Santo.

  1. Entre os samaritanos

Atos 8.14-17: “Ouvindo os apóstolos que estavam em Jerusalém que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. Quando chegaram, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo, porque sobre nenhum deles tinha ainda descido, mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus. Então lhes impuseram as mãos e receberam o Espírito Santo”.

Ainda que o texto bíblico não mostre explicitamente que os samaritanos hajam falado em novas línguas como evidência do batismo com o Espírito, vários estudiosos das escrituras são da opinião que isto tenha ocorrido. Se não tivesse havido a manifestação das línguas, de que modo os apóstolos teriam notado a diferença entre eles antes e depois da oração com a imposição de mãos? E mais, por quê razão Simão iria oferecer dinheiro aos apóstolos em troca de poder de provocar aqueles fenômenos, se ele não os tivesse visto e ouvido?

  1. Sobre Saulo em Damasco

Atos 9.17,18: “Então Ananias foi, entrou na casa e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver, e sejas cheio do Espírito Santo. Imediatamente lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista. Levantando-se, foi batizado”.

Também, no caso de Saulo, o texto bíblico também não diz claramente que ele tenha falado em outras línguas, mas diz que ele foi cheio do Espírito Santo. Porém, uma vez que Paulo diz falar mais línguas (= glossolália) que os coríntios (1 Co 14.18), a opinião mais comum entre os comentaristas das Escrituras é que ele tenha falado em novas línguas, quando foi cheio do Espírito Santo.

  1. Na casa de Cornélio

Atos 10.44-46: “Dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que o ouviam. Os fiéis que eram da circuncisão, que tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios. Pois os ouviam falar em línguas, e engrandecer a Deus…”.

Foi a ênfase dada pelo apóstolo Pedro e seus companheiros ao fato de que os gentios em Cesaréia haviam recebido o dom do Espírito Santo da mesma forma como os quase cento e vinte no dia de Pentecoste, que apaziguou o ânimo dos apóstolos em Jerusalém, de sorte que disseram: “Na verdade até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida” (At 11.18).

  1. Sobre os discípulos em Éfeso

Atos 19.6: “Impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e falaram em línguas, e profetizavam”.

Cerca de vinte anos após o dia de Pentecoste, o batismo com o Espírito Santo ainda era acompanhado da evidência de falar em línguas estranhas. Esta evidência satisfazia não só a um dos requisitos da doutrina apostólica, quanto à manifestação do Espírito Santo, como também cumpria fielmente as palavras de Jesus: “Estes sinais seguirão aos que crêem: … falarão novas línguas” (Mc 16.17).

O falar em novas línguas é aceito como evidência física inicial do batismo com o Espírito Santo, pelo menos por três razões:

  1. Porque, como já mostramos, acha-se amparada como experiência na maioria dos casos de pessoas batizadas com o Espírito Santo, no Novo Testamento.
  1. Porque anula por completo a dúvida comumente existente na mente da pessoa que crê haver sido batizada com o Espírito Santo, sem experiência de falar em outras línguas.
  1. Porque satisfaz perfeitamente a uma exigência histórica. Crisóstomo, um dos grandes mestres da Igreja primitiva, afirmou muitos anos após os dias do apóstolo Paulo: “Quem quer que fosse batizado nos dias dos apóstolos, logo falava em línguas: recebiam eles o Espírito Santo”.
  1. PROPÓSITOS DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Já dissemos que o batismo com o Espírito Santo é uma experiência destinada a todos os crentes, independentemente do tempo e da denominação à qual estejam afiliados. Mas, quais os reis propósitos do batismo com o Espírito Santo? Dentre esses, atentemos para os seguintes:

  1. Viver abundantemente para Deus

João 7.38,39: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Isto ele dizia do Espírito que haviam de receber os que nele cressem. O Espírito Santo ainda não fora dado, porque Jesus ainda não havia sido glorificado”.

Deste o momento do novo nascimento até à morte ou à glorificação, a vida do cristão deverá estar inteiramente identificada com o progresso espiritual, marcado pela submissão e comunhão com Deus. Evidentemente isto só será possível para aquele que está cheio e a transbordar do Espírito Santo (Ef 5.18).

  1. Identificar a vida do crente com Cristo

Lucas 4.18,19: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me uniu para evangelizar aos pobres. Enviou-me para apregoar liberdade aos cativos, dar vista aos cegos, pôr em liberdade os oprimidos, e anunciar o ano aceitável do Senhor”.

Disse A. B. Simpson, fundador da Aliança Bíblica Missionária, dizendo: “Primeiro, o Senhor nasceu pelo Espírito, e posteriormente iniciou seu ministério no poder do Espírito Santo. Espero que assim como ‘o que santifica, como os que são santificados, são todos um’, de igual maneira nós devemos seguir seus passos e imitar sua vida. Nascidos no Espírito nós também devemos ser batizados com o Espírito Santo, e logo viver a vida de Cristo e repetir sua obra”.

4.3. Poder para testemunhar

Atos 1.8: “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.

A experiência da salvação do homem começa no Calvário enquanto que o seu serviço começa no Pentecoste; ou seja, com a experiência do batismo com o Espírito Santo.

A finalidade deste batismo está prescrito na própria promessa de concessão: capacitar o crente para o trabalho divino. O crente, pois, corre um sério risco, uma vez batizado com o Espírito Santo, se não assumir uma vida de compromisso com o testemunho cristão. Paulo tinha o dever de testemunhar de Jesus em tão elevada conta, que chegou a dizer: “… ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Co 9.16).

A experiência do batismo com o Espírito Santo, apesar de ajudar-nos a viver abundantemente para Deus, se identificar-nos com Cristo, e de comunicar-nos poder para testemunhar do Evangelho, não se constitui numa espécie de apólice de seguro em caso de naufrágio espiritual. Não!

Mas que qualquer outro, o crente batizado com o Espírito Santo, tem o sagrado dever de permanecer humildemente na presença do Senhor, estudando a sua Bíblia, orando, e primando por viver vida santa diante de Deus e dos homens.

O batismo com o Espírito Santo não comunica privilégios, comunica, sim, responsabilidade, sobretudo.

Pr. RAIMUNDO DE OLIVEIRA

ray.oliveira@mnnet.com.br

%d blogueiros gostam disto: